Black Bar




Black Bar:

Com ambiente em estilo lounge - só com bancos, mesinhas baixas e sofás - o bar no Leblon serve drinques próprios, como o Bloody Wine (que mistura vinho tinho, frutas da estação, espumante e o aperitivo italiano aperol). Entre os tira-gostos estão batatas rústicas com aoli e molho babecue, e minilinguiças em mel, shoyu e gergelim com mostarda.



Horário de Funcionamento: Seg a sáb, das 20h às 3h30m
Cartão de crédito: Sim.
Tipo de bar: Bar



Miniatura Black BarAv. General San Martin, 1.219 Leblon Rio de Janeiro - RJ

21  3079-9581  



Marcelo Piu Black Bar


Marcelo Piu Black Bar




Mostrar mapa ampliado



Há mais ou menos um mês, jantei com um amigo no Chez L’Ami Martin, no final da General San Martin. E percebi, ao lado do bistrô, um espaço sendo reformado. Na época, não liguei. Outro dia, porém, soube que havia surgido um bar ali. Black Bar. Era preciso conferir.

Cheguei antes dos amigos e me aboletei na varanda. Vi um bar escurinho, com duas TVs sem som (obrigado, Senhor!)exibindo belas formas psicodélicas. A garçonete me disse que se tratava de um DVD feito para a casa. Gostei. Fiquei curtindo a música e perguntei se era uma play list criada para o bar.

— Tem um DJ ali no canto. O senhor não viu?

Não tinha visto. Mas gostei da ideia de ter um DJ. (Só não gostei de ser chamado de senhor. Humpf!) A demora dos amigos não me incomodou, pois o bar tem jeitão de lounge, sem mesas, só bancos, mesinhas baixas e sofás. (Ou seja, um cara de meia-idade sozinho não chamava tanto a atenção assim.) Me senti em casa e pedi um bloody wine, drinque inventado ali, que mistura vinho tinto, frutas da estação, espumante e aperol, aquele aperitivo italiano meio amarguinho e delicioso (R$ 18).

Os amigos escolheram os comes. Batatas rústicas com aïoli e molho barbecue (R$ 17,80) e minilinguiças em mel, shoyu e gergelim com mostarda (R$ 28). As batatas estavam perfeitas. As linguiças, idem, suculentas e sequinhas. As porções não eram gigantescas, mas mataram nossa fome direitinho.

Conversando com a simpática Marlene, francesa que passa quatro meses por ano no Brésil e é sócia da casa, descobri que o Black é multinacional: os donos são duas gaulesas, uma italiana e um brasileiro. Pelo que vi, é um exemplo do que a união dos povos pode trazer de melhor.



Enhanced by Zemanta

Nenhum comentário :