Roberta Sudbrack



Roberta Sudbrack:

Mesclando cozinha contemporânea com tempero e ingredientes legitimamente brasileiros, a premiada chef Roberta Sudbrack comanda as caçarolas de seu restaurante, em charmosa casa no Jardim Botânico, desde 2005. Experiência não lhe falta: ela foi a primeira chef a comandar a cozinha do Palácio da Alvorada, em Brasília, durante o mandato do presidente Fernando Henrique Cardoso. A gaúcha faz releituras de pratos bem brasileiros, como a farofa de banana.

Hoje, da ampla cozinha envidraçada, localizada no segundo andar, saem pratos como burrata com filé de tomate marinado e entradas como tartare de abóbora. A carta de vinhos dispõe de cerca de 222 rótulos. Com decoração de Chicô Gouveia e iluminação de Maneco Quinderé, o ambiente exibe nada menos que móveis assinados por Sérgio Rodrigues.

NO VÍDEO, a chef ensina a fazer curau com caviar.



Horário de Funcionamento: Ter a qui, das 19h30m à meia-noite; sex, do meio-dia às 15h e das 20h30m à meia-noite; sáb, das 20h30m à meia-noite
Tipo de restaurante: Brasileiro
Aceita cheque: Sim.
Cartão de crédito: Sim.
Cartão de débito: Sim.
Manobrista: Sim.



Miniatura Roberta SudbrackRua Lineu de Paula Machado, 916 Jardim Botânico Rio de Janeiro - RJ
http://www.robertasudbrack.com.br
21  3874-0139  
Roberta Sudbrack thumbs


Divulgação Roberta Sudbrack


Cora Rónai Roberta Sudbrack


Divulgação Roberta Sudbrack


Ana Branco Roberta Sudbrack




Mostrar mapa ampliado



Já contei aqui que sou uma das juradas do ranking dos Melhores Restaurantes do Mundo. Já contei também que o melhor do mundo, o dinamarquês Noma, definitivamente não é o melhor do mundo. Admito que é divertido comer um mexilhão de 36 anos (mesmo desconfiando da sua idade) e encarar dois camarões vivinhos da silva, mexendo as perninhas — o que me levou a declinar da experiência de saboreá-los. Toda essa introdução é para contar que depois de provar do novo cardápio da Roberta Sudbrack, confirmei o que já sabia: a cozinha da chef nada deixa a dever às melhores do mundo.

É caro? É, bastante. Mas não mais que o nórdico bicampeão Noma. Ou que o paulista D.O.M, do chef Alex Atala, que bravamente abocanhou a sétima posição. O menu de nove pratos de Sudbrack sai por R$ 240. No Noma, pelo mesmo número de serviços, desembolsei o equivalente a R$ 430. No D.O.M, coisa de R$ 400. E, quer saber, sem qualquer bairrismo: as últimas da Sudbrack deixaram os dois no chinelo.

Foram nove pratos salgados e uma sobremesa, pequenas obras de artes servidas em Limoges brancos, que me levaram a comer de óculos para tentar identificar o que eram aquelas maravilhas que eu tinha na boca. Um galho micro de tomilho aqui, dois pontinhos de orégano ali, um espocar de flor de sal acolá... Leo Jaime, músico e parceiro de mesa, foi mais sagaz do que eu: o que era aquela poerinha com gosto de mar sobre a manga grelhada? Pó bottarga! E o >ita<croc no céu da boca? Grãos de quinoa fritos! A tal da “clementina” que vinha estampada na plaquinha de identificação do prato (todos chegaram dessa forma) era a boa e velha tangerina, que saiu de cena desde o advento da polkan. Foi ela quem imprimiu um cítrico elegante às lascas de cogumelos carnudos, que lembravam um polvo, servidas com uma poeira de parmeggiano.

O robalo veio com milho doce e canjica; o foie gras, com um biscuit de pele de milho e semente de figo; a galinha caipira foi servida em garrafas de vidro, um consomê da ave que ensopava um purê de batatas com consistência de marshmallow. A costela espetacular chegou com milho e banana; e o atum, ora, ora, trouxe uma inusitada barba de milho (lembra?) marinada. Bravo, bravíssimo! Comida, diversão e arte pelas mãos de uma mestre que merece, mais do que nunca, estar entre os melhores do mundo.





Roberta Sudbrack - http://www.robertasudbrack.com.br

Nenhum comentário :